X
Mande sua história
Receba nossas novidades
Fale Conosco

Cadastre-se e receba nossas postagens em seu email

Tem dúvidas, sugestões de pautas, ou quer falar conosco? Preencha o formulário que teremos enorme prazer em responde-la!

Pilkington por elas

Seleção Brasileira de Futebol feminino é uma das favoritas ao ouro nas Olimpíadas de Tóquio 2020

Seleção Brasileira de Futebol feminino é uma das favoritas ao ouro nas Olimpíadas de Tóquio 2020

“Pode avisar que o Brasil chegou” em Tóquio para as Olimpíadas 2020.  A seleção brasileira feminina é uma das grandes apostas do ouro na modalidade, e se depender da torcida, as meninas realmente serão campeãs.

A cantora Gabi Fernandes deu o tom da busca do Brasil pelo topo e presenteou o time com a música “O Brasil chegou”. A letra relata o sonho de uma menina ao jogar no quintal de casa e, no passo seguinte, se ver em um estádio, transformando em realidade aquele amor pelo futebol.

 Confira o clip da música clicando aqui. 

Durante muito tempo, a presença das mulheres era mínima nos Jogos Olímpicos. Mas graças a algumas atletas que enfrentaram preconceitos e quebraram regras, hoje, a realidade é outra.

A luta feminina por igualdade se mantém forte e vem ganhando destaque ao longo dos anos. No caso da participação das mulheres nas Olimpíadas, a busca não foi diferente.

Confira a lista dessas atletas que fizeram história:

Charlotte Cooper

Charlotte Cooper foi a tenista britânica que colocou seu nome no mundo das Olimpíadas por ser a primeira mulher a conquistar uma medalha de ouro no tênis. A vitória aconteceu nos Jogos de Paris, em 1900.

Larissa Latynina

Ginasta da equipe soviética, Larissa Latynina é a mulher com mais medalhas na história dos Jogos Olímpicos. Nascida na Ucrânia, a atleta foi ao pódio 18 vezes e seu feito só foi superado em 2012, pelo nadador Michael Phelps.

Larissa conquistou suas medalhas em três participações olímpicas: Melbourne 1956, Roma 1960 e Tóquio 1964.

Aída dos Santos

A brasileira Aída dos Santos foi a única mulher da delegação nos Jogos de Tóquio 1964. A atleta conquistou o quarto lugar no salto em altura, ainda que tenha ido sem uniforme, tênis ou técnico.

Infelizmente, por ter feito críticas ao Comitê Olímpico, Aída foi cortada da seleção perto do início dos Jogos de 1972.

Sandra Pires e Jacqueline Silva

A conquista de Aída permaneceu única até ser superada pelas jogadoras de vôlei de praia Sandra Pires e Jacqueline Silva, na Olimpíada de Atlanta, em 1996.

A dupla ganhou o primeiro ouro feminino na modalidade e colocou, mais uma vez, a participação das mulheres na Olimpíada em destaque.

Enriqueta Basilio

Já a participação de Enriqueta Basilio teve uma importância diferente das demais atletas. Isso porque a velocista mexicana foi a primeira das mulheres na Olimpíada a acender a pira. Esse momento histórico e de grande importância aconteceu na abertura dos Jogos do México, em 1968.

Rafaela Silva

A judoca Rafaela Silva é carioca e iniciou sua vida no esporte no Instituto Reação. Nas Olimpíadas Rio 2016, se tornou a primeira atleta na história do judô brasileiro a ter o título de campeã mundial e olímpica.

Isso aconteceu pela medalha de ouro que conquistou ao derrotar Dorjsürengiin Sumiyaa que, até então, era a líder do ranking mundial.

Ainda que essas mulheres incríveis tenham feito história, a participação feminina nos Jogos Olímpicos pode ser ainda maior. A Pilkington acredita na força da mulher e apoia, não só a seleção brasileira, mas como todas as atletas femininas.

Que elas possam jogar por todas nós!
#JogaPorMimBrasil


Tags:

  • Facebook
  • Twitter

Agora é com Elas - Todos os direitos reservados © Copyright 2020

prjeto integrado